Em carta aberta Povo Indígena Suruí pede apoio do poder público e da sociedade para intervenção em conflito

22 de maio de 2012 - Em visita hoje ao escritório a FAS em São Paulo, o cacique Paiter Suruí, Almir Suruí, solicitou mais uma vez […]

Em visita hoje ao escritório a FAS em São Paulo, o cacique Paiter Suruí, Almir Suruí, solicitou mais uma vez o apoio na divulgação da carta aberta feita pela etnia com o objetivo de denunciar a situação de conflito entre madeireiros com o povo da Terra Indígena Sete de Setembro, em Rondônia.

A etnia Suruí ganhou recente destaque na imprensa pela certificação do primeiro projeto de REDD+ em terras indígenas (http://idesam.org.br/projetos/carbono_surui.php ) e pelo planejamento participativo estabelecido para os próximos 50 anos (http://www.funbio.org.br/en/o-que-fazemos/projetos/fundo-surui).

Apesar de já estar em diálogo com a FUNAI, a autoridade vê necessidade de mais intervenção federal para a solução do caso. Confira abaixo a carta na íntegra que conta com o apoio da FAS e outras 32 instituições.

 

Carta do povo Paiter Suruí às autoridades pUblicas e à sociedade brasileira

A Associação Metareilá do Povo Indígena Suruí, em conjunto com organizações parceiras (listadas abaixo), vem por meio desta cartasolicitar providências urgentes das autoridades estaduais, nacionais e internacionais para nos ajudar a resolver o problema da ação de madeireiros na Terra Indígena Sete de Setembro, em Rondônia, Brasil.

Nos Ultimos meses, os indígenas têm passado por momentos de muita tensão e pressões de madeireiros e fazendeiros sobre seu território, ocasionando conflitos internos e externos, como o aliciamento de alguns Paiter Suruí, que inclusive têm sido presenteados com armas de fogo. Alguns líderes Paiter Suruí, entre eles um vereador, têm sido ameaçados por outros indígenas e não indígenas, os obrigando a se esconder dentro de seu próprio território.

A situação acontece justamente no momento em que a etnia tem conquistado reconhecimento internacional por desenvolver trabalhos e parcerias inovadoras, além de possuir o primeiro projeto de REDD+ em terras indígenas validado no Brasil. Os Paiter Suruí também têm sido exemplo de gestão e proteção de sua terra e têm trazido inUmeros benefícios a seu povo e ao estado de Rondônia e ao Brasil.

? importante ressaltar que durante essa situação crítica, a comunidade, e suas lideranças, entre os quais se encontra o cacique Almir Suruí, tem trabalhado em conjunto com a Fundação Nacional do Índio ?? FUNAI, a partir da coordenação regional de Cacoal, de forma a encontrar maneiras de enfrentar às pressões. Apesar disso, é necessária uma ação maior do Estado como um todo para aplicar a lei para que possamos garantir soluções definitivas no território.

Newsletter