FAS reúne instituições nacionais para debater primeira infância em unidades de conservação

12 de julho de 2012 - Encontro sobre primeiro estágio da vida de crianças ribeirinhas reuniu instituições de várias regiões do Brasil

 

Os primeiros anos de vida das crianças ribeirinhas estiveram em pauta nesta quinta-feira (12) em encontro que reuniu especialistas de importantes instituições do Brasil, técnicos e membros da sociedade civil. O Encontro Técnico sobre Desenvolvimento da Primeira Infância, realizado através de uma parceria entre a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e o Instituto de Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), apresentou um panorama de iniciativas adotadas em várias partes do país e que podem impulsionar a melhoria de qualidade de vida das crianças no primeiro estágio de crescimento. A iniciativa conta com apoio financeiro da Fundação Bernard van Leer.

Participaram do encontro Tatiana Schor, coordenadora do Centro Estadual de Unidades de Conservação (CEUC), órgão vinculado à Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS); Evandro Melo e Aída Mininéa, da Secretaria de Estado da SaUde do Amazonas (SUSAM); Liliane Lugarinho e Paula Johas, do Programa “Estratégia Brasileirinhas e Brasileirinhos Saudáveis”, do Governo Federal. Também estiveram presentes Virgínia Holanda de Moura, responsável pelo Programa “Mãe Coruja”, da Secretaria Estadual de SaUde de Pernambuco; Francisca JUlia dos Santos Souza e Valéria AraUjo Lima Mesquita, do Programa “Trevo de Quatro Folhas”, da Prefeitura Municipal de Sobral (CE); Carolina Drügg, Programa “Primeira Infância Melhor”, Secretaria de SaUde do Rio Grande do Sul; o diretor-presidente do IDIS, Marcos Kisil e o Superintendente Geral da FAS, Virgílio Viana.

Durante o debate foram levantadas questões importantes sobre a elaboração de políticas pUblicas voltadas ao desenvolvimento infantil no Amazonas. O diretor-presidente do IDIS, Marcos Kisil, enalteceu a necessidade de uma discussão mais ampla sobre como são feitas políticas pUblicas no país. Para ele, é necessário acompanhar e fiscalizar a implementação dessas políticas, desde a formulação de programas-piloto até sua respectiva execução efetiva.

Já o Secretário Executivo Adjunto de SaUde do Interior do Estado, Evandro Melo, revelou a importância de um debate em nível nacional. Segundo ele, experiências adotadas em outras regiões do país podem servir de embasamento para programas regionais, sua adaptação à realidade local pode incrementar ainda mais os projetos no interior do Estado.

Com esse Encontro Técnico, a FAS inicia o processo de estruturação do Programa Infância Ribeirinha, para ampliar a assistência básica às mães durante a gestação e nos primeiros anos de vida. A intenção é aprender com os êxitos de programas de acompanhamento aproximado com os participantes do encontro, alinhando questões como regionalidade, logística e acessibilidade, para beneficiar pais, mães e crianças das comunidades ribeirinhas do Amazonas.

Na ocasião foram apresentados três programas de sucesso no Brasil. O Programa Mãe Coruja, por exemplo, que está presente em 103 municípios de Pernambuco, beneficiando 7.374 mulheres e 29.102 crianças. Em Sobral-CE, a taxa de mortalidade infantil caiu pela metade, contando com apoio direto do Programa Trevo de Quatro Folhas, desenvolvido pela prefeitura do município há mais de dez anos. Desenvolvido pelo Governo do Rio Grande do Sul, o Programa Infância Melhor também é destaque internacional em iniciativas para melhoria da infância. O piloto do Programa Brasileirinhas e Brasileirinhos está sendo aplicado em 6 municípios brasileiros.

Os representantes desses Estados partem amanhã para uma visita às comunidades do Tumbira e Saracá, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro.

Newsletter