Bola no mato, o jogo é de campeonato: futebol integra comunitários na RDS Rio Negro

2 de maio de 2013 - Torneio patrocinado pela Fundação Amazonas Sustentável movimentou ribeirinhos

 
Bola rolou na comunidade Terra Preta, RDS Rio Negro | Foto: Comunicação FAS

O futebol na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro mostrou força neste fim de semana. Fluminense do Carão, Palmeiras do Inglês e Guarani do Saracá fizeram igual ou melhor que os times da TV, balançando as redes nas finais do II Campeonato de Futebol da RDS Rio Negro. A comunidade Terra Preta, em Novo Airão (180 km de Manaus), sediou a grande final da competição, que teve como patrocinador master a Fundação Amazonas Sustentável (FAS).

O campeonato é organizado pela Associação de Comunidades Sustentáveis da RDS Rio Negro (ACSRN) e liderada pelos próprios ribeirinhos. A economia local é movimentada em rodadas itinerantes que sobem e descem o rio, durante os seis meses de competição. Os mandantes podem comercializar comidas, bebidas e artigos, em jogos que chegam a receber mais de 500 pessoas.

“O futebol é a grande paixão de todos na reserva. Vemos crianças e idosos vindo de vários lugares para torcer. Vem gente até de Manaus”, declara José Roberto, o presidente da ACSRN.

Roberto conta que os jogos servem para incluir e fortalecer as comunidades, com modalidades abertas para todos os pUblicos. “As mulheres podem disputar na categoria feminina e os atletas mais experientes disputam na categoria veterana. Os jovens se enfrentaram na categoria sub-17 e na categoria principal, os melhores de cada comunidade competem na modalidade titular.” A FAS distribuiu R$ 8 mil de premiação nas várias modalidades, que tiveram suas finais no Ultimo domingo.

Foram quase 400 atletas inscritos, distribuídos em 35 times. A primeira fase começou no dia 28 de agosto do ano passado, e a fase decisiva terminou neste fim de semana, com a vitória do Guarani do Saracá sobre o Fluminense do Carão, por 2×1, em um jogo que teve dois tempos muito disputados.

O Guarani abriu placar com um belo chute de Glender, aos 10 minutos do segundo tempo. O artilheiro mostrou que estava inspirado, ampliando o placar para o time do Saracá em uma sobra na grande área, aos 30 minutos da etapa final. O Fluminense do Carão ainda descontou com Leandro, aos 34. Não dava mais tempo para o empate. A torcida invadia o campo para comemorar o bicampeonato do “time da professora”.

Time da Professora

O Guarani do Saracá foi fundado em 21 de junho de 1981, pela professora Raimunda das Chagas Ribeiro, conhecida como “Saracá”. Um dos criadores e ex-presidente do clube, Pedro Vidal, contou a história do time logo no começo.

“Tínhamos uma escola, eu e a dona Raimunda e resolvemos criar uma equipe. Conversamos com os pais, juntamos um dinheiro na época e compramos equipamentos. Guardo em minha casa as camisas e os primeiro troféus. Hoje é um orgulho ver o Guarani sair como campeão da reserva, ver essa moçada hoje crescendo como pessoas de bem”, conta após a partida.

Várias idades

O torneio envolveu pUblico de todas as idades. Uma das torcedoras mais ilustres da reserva, dona Isaura Ramos de Sena, tem 81 anos e acompanhou os dois tempos de partida vibrando bastante.

Não só este jogo, os comunitários atestam que Isaura apoiou o Fluminense durante toda a campanha deste ano. Ela conta que não desanimou com o segundo lugar.

Dona Isaura, 81 anos, torcedora do Fluminense do Carão (Comunicação/FAS)

Dona Isaura, 81 anos, torcedora do Fluminense do Carão (Comunicação/FAS)

“Nesse campeonato eu já andei mais de cinco quilômetros para ver o Fluminense (do Carão) jogar. Eu empurrei todos os jogos para chegarmos na final. Ainda não foi nesse segundo torneio, mas no próximo ano vamos ganhar. Vamos fazer uma festa com um som lá na comunidade”, finaliza.

Newsletter