No AM, encontro com lideranças e agentes comunitários de saúde discute importância de atenção à primeira infância

13 de março de 2015 - Reunião teve como objetivo sensibilizar as lideranças comunitárias para a importância da implantação do projeto

 
Encontro foi realizado na comunidade do Tumbira (Foto: Suelen Araújo/FAS)

O Projeto Primeira Infância Ribeirinha (PIR), desenvolvido pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS), realizou na terça-feira (10) uma Mobilização Comunitária da Primeira Infância Ribeirinha. O objetivo do encontro é sensibilizar as lideranças comunitárias para a importância da implantação do projeto juntamente com os Agentes Comunitários de SaUde (ACSs). Durante a reunião, houve ainda apresentação de resultados, aplicação de dinâmicas, exibição de vídeo sobre o projeto, que já atua em 18 comunidades da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Negro. O encontro ocorreu no NUcleo de Conservação e Sustentabilidade (NCS) Agnello Bittencourt Uchôa, localizado na comunidade Tumbira na mesma RDS.

Na ocasião, participaram do evento representantes da SaUde da Criança do Município de Iranduba, coordenação municipal do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade de Atenção Básica (PMAQ), coordenação da SaUde da Criança do Município de Iranduba, além de 16 Agentes Comunitários de SaUde integrados no PIR, 16 ACSs do município de Novo Airão sensibilizados em outubro de 2014, sete lideranças comunitárias, quatro supervisores do projeto, e um médico da estratégia da saUde da família.

“A liderança tem que ser companheira do ACS no projeto. Hoje acompanho a agente de saUde e deixo de fazer outras ocupações. Quando se fala de saUde e educação, dou meu apoio direto ou indireto. O projeto é de grande importância para as crianças e idosos”, explica o líder da Comunidade Tiririca, Raimundo Oliveira da Silva.

Atualmente estão cadastradas no projeto 284 crianças de zero a seis anos de idade, além de 40 gestantes, acompanhados por 16 Agentes Comunitários de SaUde (ACS) que assitem 180 familías localizadas nas comunidades: Terra Preta, Santo Antônio do Acajatuba, Tumbiras, Carão, Santa Helena, Saracá, Camará, São Tomé, São Francisco do BujarU, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Nossa Senhora de Fátima Nova Aliança, Marajá, Nova Esperança, Tiririca, Santo Antonio, 15 de Setembro, Nossa Senhora da Conceição, Terra Santa, inseridas nos municipios de Iranduba, Novo Airão e Manacapuru.

Os ACSs foram capacitados em cinco etapas, especializando a equipe em aplicação do modelo de visitação para o desenvolvimento infantil. As oficinas ocorreram no NCS Agnello Bittencourt Uchôa, na comunidade Tumbira. “Antes eu tinha pouco conhecimento, não era bem reconhecido profissionalmente. Hoje em dia, depois de entrar no PIR, sou mais valorizado, sei como abordar as pessoas nas visitas, as mães cuidam melhor de seus filhos, as crianças perderam a timidez, falam melhor e me sinto mais seguro para trabalhar”, enfatiza o ACS Antônio Evangelista Costa, que atende 52 famílias na Comunidade São Tomé.

“Este encontro é uma forma de reflexão sobre os resultados no projeto nas comunidades. Agora os ACSs estão aptos a dar continuidade ao trabalho. Todos foram capacitados e certificados, além do material de apoio de receberam”, finaliza a coordenadora do PIR, Rhamilly Amud.

O Primeira Infância Ribeirinha, desenvolvido pela Fundação Amazonas Sustentável em parceria com o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS) e a Secretaria de Estado da SaUde (SUSAM), financiado pela Fundação Bernard Van Leer, tem como objetivo promover atenção básica à saUde de crianças entre zero e seis anos de idade. Até o momento, o projeto já foi implementado em 18 comunidades ribeirinhas da RDS Rio Negro.