Oficina discute certificação de madeira manejada na RDS Rio Negro

18 de março de 2015 - Capacitação reuniu 28 manejadores de comunidades do baixo rio Negro, que fizeram uma avaliação das atividades desenvolvidas pelo projeto

 
Encontro foi realizado na RDS Rio Negro (Foto: Victor Salviati/FAS)

O Projeto Manejar para Conservar, uma iniciativa da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) em parceira com o Instituto Camargo Corrêa (ICC) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio do Fundo Amazônia, promoveu no dia 28 de fevereiro uma oficina voltada à certificação de madeira na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro. O objetivo da capacitação foi discutir com os manejadores e lideranças comunitárias a viabilidade do processo de certificação FSC® da produção madeireira da região, e avaliar o desempenho das atividades do projeto ao longo dos Ultimos dois anos. A ação foi realizada na comunidade Tumbira, no município de Iranduba-AM (74 km de Manaus).

A ação orientou os 28 manejadores do projeto sobre as vantagens da adoção de boas práticas no manejo florestal: a madeira certificada traz mais competitividade na comercialização e abre possibilidades em vários mercados, por ter mais valor agregado. Além disso, o processo de certificação cumpre um conjunto de requisitos de controle e segurança na atividade, o que garante maior aproveitamento da madeira extraída e conservação do potencial nativo da região.

“O processo de certificação trará muitos benefícios para os manejadores que trabalharem de forma legalizada e para a floresta. A madeira se valoriza e pode buscar novos mercados para comercialização, fortalecendo a cadeia produtiva da região”, explica o assistente de projetos técnicos da FAS, Marilson Rodrigo.

A oficina também avaliou o desempenho do projeto ao longo dos anos de 2012, 2013 e 2014, e serviu para a elaboração do planejamento participativo das atividades de manejo para 2015. Os trabalhos incluem a realização de vistorias e visita técnicas do projeto, a realização de capacitações voltadas à melhoria no processo de extração da madeira, e a confecção de inventários do potencial atual a ser explorado: documentos que registram as espécies de árvores em cada localidade e determinam o nUmero a ser extraído via manejo.

Toda a atividade é viabilizada mediante planos de manejo, documentos aprovados pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) que regem a exploração nas comunidades participantes. Este ano, a ideia é realizar a aprovação de 14 planos: 10 com novos inventários e quatro com renovação de inventários já realizados em anos anteriores.

“A ideia é potencializar o manejo aproveitando a estrutura adquirida no primeiro ano do projeto. Hoje os comunitários contam com um trator e uma balsa para o transporte da madeira extraída, o que reduz o custo operacional e facilita a negociação com os compradores dos municípios”, comenta Marilson.

A ação é fruto de uma parceria entre FAS, o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS), por meio do Centro Estadual de Unidades de Conservação (Ceuc) e IPAAM, e Associação de Moradores da RDS Rio Negro.

Manejar para Conservar

O projeto Manejar para Conservar tem como objetivo apoiar a geração de renda para 250 famílias direta e indiretamente, por meio do manejo sustentável de madeira na RDS Rio Negro. A iniciativa é fruto de uma parceria entre FAS, o Instituto Camargo Correa e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (ICC/BNDES). O projeto foi vencedor da categoria Natureza da edição 2015 do Prêmio Von Martius de Sustentabilidade, promovido pela Câmara Brasil-Alemanha. Veja mais!