Em entrevista, Victor Fasano defende permanência de populações tradicionais em UCs para proteção da floresta

7 de maio de 2015 - Representante da Amazônia Para Sempre ressaltou a relevância das ações da FAS para a conservação da floresta

Conselheiro da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), o ator e representante do ONG Amazônia Para Sempre, Victor Fasano, destacou em entrevista a importância de proteger a floresta. Para o ativista, é importante manter as populações tradicionais morando nas comunidades localizadas em unidades de conservação para que estas possam ser “guardiãs” do meio ambiente.

No vídeo, Fasano contou ter como “obrigação” cuidar da floresta. “Eu nasci no meio de meio ambiente, com muitas árvores em volta, histórias espetaculares ao meu redor, então para mim é quase como uma obrigação: proteger a floresta, proteger as pessoas que vivem na floresta e proteger a ideia de que a permanência delas na floresta consequentemente vai trazer a geração da proteção dessa fantástica biodiversidade que aqui existe”, disse.

O fundador da ONG ressaltou a relevância das ações da FAS para melhorar a qualidade de vida dos ribeirinhos, fazendo com que estes mantenham a floresta em pé. “O trabalho da Fundação Amazonas Sustentável é importantíssimo, com resultados fantásticos que mostram que a Unica forma de preservar a floresta é mantendo as populações dentro dela e eles serem os guardiões dessa riqueza. ? essa a minha razão de apoiar a FAS”, afirmou.

A Fundação Amazonas Sustentável é uma organização brasileira não governamental, sem fins lucrativos, de utilidade pUblica estadual e federal. Foi criada em 20 de dezembro de 2007, por meio de uma parceria entre o Governo do Estado do Amazonas e o Banco Bradesco. Posteriormente, passou a contar com o apoio da Coca-Cola Brasil (2009), do Fundo Amazônia/BNDES (2010) e da Samsung (2010), além de outras parcerias em programas e projetos desenvolvidos. As principais iniciativas são implementadas por meio do Programa Bolsa Floresta (PBF), Programa de Educação e SaUde (PES), e Programa de Soluções Inovadoras (PSI). Atualmente, a FAS beneficia mais de 40 mil pessoas moradoras de unidades de conservação.