Comunidades do baixo Rio Negro recolhem voluntariamente 1,7 tonelada de resíduos sólidos

16 de junho de 2016 - Parceria da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) com Samsung, Tetra Pak e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) incentiva destinação correta de materiais recicláveis em comunidades ribeirinhas

 
gg-6cleanwaterandsanitation-portuguese gg-11sustainablecitiesandcommunities-portuguese

 

Moradores de sete comunidades do baixo Rio Negro recolheram 1,7 toneladas de material reciclável no primeiro semestre de 2016. Os resíduos, que teriam como destino aterro ou incineração danosos ao meio ambiente, serão destinados a uma cooperativa de catadores em Manaus, graças a uma iniciativa da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Samsung Tetra Pak e Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

O Projeto de Gerenciamento de Resíduos Sólidos tem como objetivo incentivar o consumo consciente e mudanças de atitudes e hábitos da comunidade, especialmente em relação ao manuseio adequado dos resíduos sólidos produzidos nas casas e comunidades ribeirinhas. Participam da atividade as comunidades Três Unidos e São Tomé (Área de Proteção Ambiental – APA do Rio Negro), e Pagodão, Santa Maria, Chita, São Sebastião, Nova Canaã e Boa Esperança, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Puranga Conquista.

As sete comunidades foram contempladas em março de 2016 com Postos de Entrega Voluntária (PEVs), construídos com placas e telhas recicladas, que facilitam a coleta local de plásticos, metal, vidro, plástico, pilhas e baterias. Em 2014, FAS e Tetra Pak construíram um Centro de Triagem de Resíduos Sólidos na Comunidade Três Unidos, a 74 km de Manaus. O espaço conta com duas prensas manuais doadas pela empresa e espaço para armazenagem dos materiais prensados, antes de seguirem viagem até Manaus.

“Nossa comunidade está ficando mais consciente, pois com o projeto já temos onde colocar todos os recipientes que iam para um lixão. Todos os materiais vão ser colocados aqui, o que vai ser bom para a comunidade e para os visitantes, que também verão a comunidade mais limpa”, afirma.

Além das ações estruturantes, o projeto promove capacitações e gincanas de arte e educação nas comunidades, enfatiza o supervisor de arte e educação, Adriano Rodrigues.

“A ideia é incentivar a destinação correta voluntariamente, buscando o engajamento das comunidades com uma nova visão sobre os resíduos sólidos. Vê-los envolvidos nas atividades, trazendo os resíduos de comunidades bem distantes em canoas e motores rabetas, mostra que estamos no caminho certo”, finaliza.

O Programa de Educação e SaUde (PES) da FAS busca a ampliação e a qualificação da oferta de serviços pUblicos de saUde e educação em comunidades ribeirinhas. Além disso, desenvolve vários projetos de inovação, com o objetivo de subsidiar mudanças de políticas pUblicas relacionadas com saUde e educação em áreas negligenciadas de atendimento, como parte da Amazônia profunda. Saiba mais!

Newsletter