FAS valoriza papel das populações ribeirinhas para a conservação durante a COP-13, no México

9 de dezembro de 2016 - Organização foi convidada pelo Governo do México para apresentar iniciativas de combate ao desmatamento que deram certo no Amazonas

 

O Amazonas foi destaque nesta sexta-feira (09) durante a 13ª Conferência entre as Partes sobre Diversidade Biológica (COP 13), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em CancUn, no México. A convite do governo mexicano, a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) apresentou experiências de conservação ambiental que têm ajudado a conter o desmatamento em 16 Unidades de Conservação (UC) do Estado, e que tem inspirado políticas ambientais em outros países do hemisfério sul, como RepUblica Democrática do Congo, Tanzânia e Uganda.

As ações amazonenses foram destaque na Conferência Magistral Ações pela Biodiversidade, evento paralelo que reuniu especialistas do mundo inteiro para debater o intercâmbio de projetos de conservação da biodiversidade. As iniciativas visam o cumprimento das metas de Aichi, acordo estabelecido em 2010 em Nagoya, no Japão, que têm por objetivo impulsionar a conservação e o uso sustentável da biodiversidade em escala global.

“O Brasil é dono da maior biodiversidade do planeta, e essa megadiversidade está intimamente ligada à Amazônia. O grande desafio para a região é conciliar a conservação da biodiversidade ao desenvolvimento econômico, algo que o Amazonas tem muitas lições aprendidas a compartilhar”, explica o superintendente geral da FAS, Virgílio Viana.

Referência em projetos de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) no mundo, o Programa Bolsa Floresta tem apoiado ações de geração de renda, melhoria de qualidade de vida e empoderamento comunitário para cerca de 40 mil pessoas, moradoras de 581 comunidades inclusas em 16 Unidades de Conservação (UC) do Estado, com apoio do Fundo Amazônia/BNDES e Bradesco.

Segundo estimativas feitas a partir de dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento em UCs do Estado que participam do Programa foi 50% menor do que nas que não participam no ano de 2015.

“Investir na conservação da biodiversidade tem sido comprovadamente muito mais vantajoso para o planeta. Na Amazônia, esse processo é muito mais eficaz se investirmos nas pessoas que vivem na floresta”, enfatiza o superintendente.

“São centenas de comunidades tradicionais cujas vidas têm sido transformadas desde que foram capacitadas para conservar a floresta, e que puderam ter acesso à melhoria de qualidade de vida e geração de renda sem desmatar o lugar onde vivem”, finaliza.

O trabalho realizado pela FAS no Amazonas também foi destaque no painel “Instrumentos financeiros para o fortalecimento das capacidades das autoridades ambientais na América Latina. Federalismo, descentralização e governança”, evento realizado em parceria com a organização The Nature Conservancy.

COP-13

A conferência acontece entre os dias 02 e 17 de dezembro, em CancUn, no México, e deve reunir cerca de 10 mil participantes, entre delegações de países, organizações internacionais e sociedade civil para negociar acordos que tenha por objetivo impulsionar a conservação e o uso sustentável da biodiversidade, bem como a implementação do Plano Estratégico de Biodiversidade 2011-2020, as metas de Aichi.

Reunidas em cinco objetivos estratégicos, as 20 Metas de Aichi fazem parte de um acordo estabelecido durante a COP 10, realizada em 2010 em Nagoya, no Japão, e fazem parte das estratégias das Nações Unidas para a gestão da biodiversidade e desenvolvimento de políticas entre os países. O protocolo foi assinado por 193 países da Convenção de Diversidade Biológica da ONU, que se comprometeram a atuar juntas na implementação até 2020.

Newsletter