Ação da FAS incentiva geração de renda sustentável e acesso a direitos infanto-juvenis na Resex Rio Gregório

17 de abril de 2017 - Cerca de 1.055 pessoas recebem o apoio da FAS na Resex do Rio Gregório, região com maior desafio logístico na área de atuação da Fundação

 

A distância é o maior desafio para moradores da Reserva Extrativista (Resex) do Rio Gregório, cuja calha cruza o Estado do Acre para encontrar o Alto Juruá no município de Eirunepé, no Amazonas (1159 km de Manaus). Lá, cerca de 1055 pessoas recebem o apoio da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) para desenvolver projetos de geração de renda e melhoria de qualidade de vida, com apoio do Fundo Amazônia/BNDES e Bradesco. Na última semana, uma expedição entregou investimentos voltados à agricultura familiar, e envolveu crianças e adolescentes de várias partes da reserva em um encontro para mobilizar e discutir direitos infanto-juvenis na região.

Estiveram na ação a coordenadora geral do Programa Bolsa Floresta (PBF), Valcleia Lima Solidade e os coordenadores da Regional Juruá-Jutaí da FAS, Marcelo Castro e Articulação Institucional, Ademar Cruz. Também acompanharam a missão os assistentes de mobilização Alexandre Barbosa Bastos e Érica Osório.

No dia 05 de abril, a equipe foi recebida na prefeitura de Eirunepé pelo gestor daquele município, Raylan Barroso de Alencar e secretários de governo. Durante a ocasião, a FAS apresentou o trabalho desenvolvido na região de 2008 a 2016 e o planejamento das atividades para 2017, que seguem visando o incremento de renda e melhorias sociais que estimulem a permanência das famílias na floresta. Prefeitura e Fundação também discutiram ações conjuntas ao longo do ano.

“A prefeitura se mostrou muito disposta a contribuir com o desafio de manter a floresta conservada na região de Eirunepé, e de contribuir com as demandas de saúde, educação dessa região, que fica muito distante da sede do município”, enfatizou a Coordenadora Geral do Programa Bolsa Floresta (PBF), Valcleia Solidade.

pbf

Geração de Renda

No dia 06, a equipe da FAS embarcou para o Rio Gregório para ouvir os ribeirinhos e entregar investimentos dos Subprogramas de Geração de Renda. Foram repassados insumos e partes mecânicas para a construção de um barco que facilitará o escoamento da produção das famílias da Resex. A embarcação será construída pelos ribeirinhos, com madeira regularizada junto ao Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam)*. Na mesma ocasião, também foram entregues dois microtratores para ganho de eficiência no transporte da produção familiar para as áreas de beneficiamento e negócios.

“Historicamente a Resex Rio Gregório é uma das Unidades de Conservação (UC) atendidas pelo Bolsa Floresta que apresenta um grande desafio logístico, e durante a visita, percebemos muitos avanços trazidos pela mobilização e investimentos do Bolsa Floresta. Vimos também que os ribeirinhos continuam precisando de muito apoio do poder público, e que a associação está se fortalecendo para representar bem essas demandas”, destacou a coordenadora-geral do Programa Bolsa Floresta, Valcleia Solidade.

Microtrator entregue na comunidade Ubim, na Resex Rio Gregório | Foto: Marcelo Castro

Microtrator entregue na comunidade Ubim, na Resex Rio Gregório | Foto: Marcelo Castro

Os investimentos do Programa de Geração de Renda buscam qualificar as vocações produtivas de cada região atendida. No Rio Gregório, as comunidades receberam materiais para construção de três casas de farinha higienizada para melhorar produção local. Esses investimentos também impulsionarão a produção familiar de mandioca, banana e jarinas.

Uma formação em boas práticas para produção sustentável de mandioca e melhoramento de farinha será ministrado no segundo semestre, fruto de uma parceria com o Instituições de assessoria e assistência técnica local.

“O isolamento é a maior característica do Rio Gregório, é natural que os investimentos em infraestruturas logística de beneficiamento e escoamento de produção é sejam as principais escolhas de projetos na região. Realizar a entrega desses equipamentos aumenta a confiança dos produtores, elevando o extrativismos e a agricultura para outro patamar, pois como eles dizem: saímos do caçoa para o trator. Essa confiança certamente se traduzirá em aumento do volume de produção e receita”, destacou o coordenador da Regional Juruá-Jutaí, Marcelo Castro.

No dia 08 de abril, uma oficina com lideranças e representantes das comunidades da reserva discutiu-se as regras de uso dos bens entregues pelo Programa, como parte da metodologia de implementação dos projetos do Bolsa Floresta. A ocasião foi uma oportunidade de contato com a coordenadora-geral do PBF, que apresentou o planejamento e os desafios do Programa para os próximos anos e ouviu os ribeirinhos sobre as demandas daquela localidade.

Atenção à criança e ao adolescente

Encontro de jovens contou com apoio do Projeto Dicara | Foto: Marcelo Castro

Encontro de jovens contou com apoio do Projeto Dicara | Foto: Marcelo Castro

Nos dia 07 e 08 de abril, a FAS promoveu um encontro de jovens da Resex Rio Gregório, que reuniu 90 participantes na comunidade Ubim. A ação foi realizada por uma parceria entre o Bolsa Floresta e Programa de Desenvolvimento Integral da Criança e Adolescente na Amazônia (Dicara), para levar ações de cidadania a ribeirinhos de Unidades de Conservação (UCs) do Amazonas.

Durante os dois dias, foram promovidas palestras socioeducativas e ações esportivas com crianças e adolescentes de diversas localidades da Resex. Os pais dos participantes participaram de oficinas de apresentação do Dicara, que tem perspectiva de expansão para a região.

“O evento teve uma grande receptividade, pois os jovens nunca tiveram um encontro na reserva em que o tema fosse eles. Pudemos ouvir das falas deles o desejo de participar de mais iniciativas assim, para levar direitos e uma perspectiva de vida sustentável para suas vidas”, comenta o coordenador do Projeto Dicara, e de Articulação Institucional da FAS, Ademar Cruz.

Um novo encontro deve ser realizado no dia 20 de junho, que já está sendo organizada por uma comissão de jovens locais, com apoio do Programa Bolsa Floresta e da Prefeitura de Eirunepé.

A ação foi desenvolvida com apoio do Programa Bolsa Floresta (PBF), e com apoio dos conselhos Tutelar e Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), e do Departamento de Mudanças Climáticas e Unidades de Conservação, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

Desafio logístico

Devido a distância do Rio Gregório para Manaus, o transporte dos materiais iniciou a mais de um mês por barco, pela coordenadoria de Logística da Fundação. No dia 05 de abril, a equipe da Fundação embarcou para Eirunepé-AM em vôo comercial, e no dia seguinte foram navegados 420 quilômetros até a comunidade Ubim, onde as ações foram desenvolvidas em três dias.

Para o retorno foram navegados rio acima mais 160 quilômetros até a Vila de São Vicente, no Acre, depois via terrestre foram mais 144 quilômetros até Cruzeiro do Sul-AC, cidade de grande influência no abastecimento de mercadoria e compra de produção do Rio Gregório.

*Por intermédio da FAS, atividades comunitárias de baixo impacto tem dispensa de licença do Ipaam

sdsn fas

sdsn fas

blogdoenvolvimento1

blogdoenvolvimento1

Newsletter