Iniciativa “Rios Limpos para Mares Limpos” da ONU Meio Ambiente é lançada no Amazonas

12 de junho de 2018 - A ação, que visa reduzir a quantidade de plástico que vai parar nos mares, foi lançada em Manaus como parte das comemorações do Dia do Meio Ambiente

 
Foto: Dirce Quintino

Evitar que a poluição plástica proveniente dos rios chegue aos oceanos é o objetivo da iniciativa “Rios Limpos para Mares Limpos” do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente), lançada nesta sexta-feira (8) durante o seminário “Dos Rios limpos para Mares Limpos com os ODS”, que reuniu representantes da academia, sociedade civil e setores governamentais na sede da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), em Manaus.

O evento foi promovido pela FAS, ONU Meio Ambiente, Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia (SDSN-AMAZÔNIA) e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), em Manaus.

A iniciativa foi lançada pela Agência das Nações Unidas no início de junho como parte das comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente. Ela visa integrar a Amazônia ao combate à poluição plástica que invade os nossos oceanos garantindo, ao mesmo tempo, a conservação do rios, igarapés e outros afluentes da região. Para se ter uma dimensão da problemática, cerca de 80% da poluição marinha é originada em terra e são os cursos de água doce que levam esgotos, pesticidas, metais pesados, lixo plástico e outros poluentes até o litoral causando danos à saúde das pessoas e ecossistemas.

O superintendente geral da FAS, Virgilio Viana, explicou o porquê da importância da pauta não somente para o meio ambiente, mas também para a saúde humana. “O desafio de acabar com a poluição do plástico nos mares começa nos rios, muito mais do que as praias, são as margens dos rios que carregam enormes quantidades de plásticos poluindo os oceanos de todo mundo. E não apenas os oceanos, mas a própria poluição de plástico no rios é um fator que preocupa porque afeta a saúde humana. O microplástico que entra na carne do peixe é ingerido pelas pessoas e tem efeitos extremamente preocupantes sobre à saúde. Além do impacto na saúde humana, temos o problema ambiental relacionado a própria vida, tanto aquática como as demais formas de vidas afetadas pela poluição dos plásticos”, explicou Virgílio.

Durante a ocasião, a representante da ONU Meio Ambiente no Brasil, Denise Hamú, destacou a importância da Amazônia na campanha e do diálogo promovido pela FAS.

“Manaus é fundamental para o sucesso dessa campanha por conta do Rio Amazonas, da floresta amazônica, pelo que ela representa e pelos desafios que você encontra aqui. O trabalho que a FAS já vem desenvolvendo em alguns dos igarapés da cidade é de suma importância para termos condições de fazer um projeto que a gente se orgulhe muito no futuro. Nenhuma solução você consegue lograr sozinho na área ambiental. É preciso trabalhar de maneira integrada, em colaboração para que a gente possa realmente obter os resultados que precisamos para nossa sociedade, para o planeta. Diálogos, como o visto no seminário, são prova disso”, contou.

Representantes do movimento Global Goals Jam, Pedala Manaus e Grito D’Água estiveram presentes no seminário sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a prática das soluções integradas, apontando coletivamente melhorias necessárias para os igarapés de Manaus e política públicas que implementem a reciclagem com uma prática intrínseca às ações ambientais na cidade.

Na ocasião do lançamento da campanha, foi apresentado o aplicativo Litterati, um app que rastreia o lixo em tempo real geolocalizando, qualificando e identificando de que marca provém. O aplicativo criado por Jeff Kirschner, busca de forma divertida mobilizar seus usuários acerca da responsabilidade que todos têm com o lixo que geram e apoiar novas regulamentações para estimular ações sustentáveis. O aplicativo é gratuito e está disponível para Android e iOS.

Ação de limpeza no lago do Tarumã

Na manhã do sábado (9), a FAS e a ONU Meio Ambiente, em ação coordenada pelo Movimento Grito D’água e com apoio da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), organizaram uma ação de limpeza nas margens do lago do Tarumã, no Rio Negro, com pranchas de Stand Up Paddle, para retirar os resíduos corretamente. A atividade marca o início da agenda “Rios Limpos para Mares Limpos” na Amazônia e contou com a participação de voluntários para ser executada.

O superintendente técnico-científico da FAS, Eduardo Taveira, afirma que é importante a conscientização quanto ao destino do lixo

“É importante entendermos que quando se fala em descartar o lixo ou, simplesmente jogá-lo fora, não existe “fora”. Estamos em um sistema fechado, onde tudo permanece aonde está. Então rios, mares, todos estão conectados”, afirma.

A ação é voltada ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) número 6, que visiona o compromisso de assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos, e aos ODS 14, que visa garantir até 2030 a conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

Newsletter