Software para monitoração de saúde de crianças ribeirinhas é testado no interior do AM

25 de julho de 2018 - Teste foi aplicado em 10 famílias da RDS do Rio Negro

 

Em julho, entre os dias 3 a 5, a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) realizou o primeiro teste do aplicativo virtual do guia de visitação domiciliar do Projeto Primeira Infância Ribeirinha (PIR) na comunidade de Terra Preta e Tumbira, ambas na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro. A ação contou com apoio e desenvolvimento da Samsung Eletrônica da Amazônia (Samsung/SEDA) e do Instituto de Tecnologia e Negócios do Norte (ITN) e visou preparar os agentes comunitários (ACS) para a utilização de tecnologia automatizada para mensurar taxas de desenvolvimento infantil na RDS.

Antes da testagem do software do Guia de Visitação, durante a visita de julho, treinamentos foram concedidos aos ACS para a operacionalização do aplicativo. A testagem é feita pelo ACS durante as visitas domiciliares da RDS através de tablets e é amplamente feita seguindo as diretrizes do guia.

Os tablets, disponibilizados em comodato pelo Samsung Instituto de Desenvolvimento Informática da Amazônia (SIDIA), são usados em atividades de coleta de dados nas Unidades de Conservação estaduais que a Fundação atua, beneficiando em torno de 9 mil famílias moradoras dessas localidades. Apoiado pela Samsung, o Programa de Educação e Saúde da FAS busca levar acesso a direitos para estudantes ribeirinhos de zonas rurais de vários municípios do interior do estado.

Desde a criação do Guia de Visitação Domiciliar, os ACSs passaram a acompanhar de perto vários aspectos do desenvolvimento das crianças em suas comunidades, desde a gestação até os seis anos de idade, usando as atividades propostas. O guia de visitação domiciliar da FAS serve para o ACS acompanhar o desenvolvimento físico das crianças.

“O aplicativo digital do Guia de Visitação Domiciliar será uma nova ferramenta de trabalho aos ACSs, proporcionando praticidade no momento das visitas domiciliares às famílias com crianças e gestantes acompanhadas pelo PIR”, afirma a analista técnica do PIR, Francinete Lima.

Os agentes já foram previamente capacitados pelo PIR para identificar ocorrência de doenças, orientar famílias em relação a acidentes domésticos, a adotar hábitos de higiene, a incentivar o aleitamento materno e a nutrição adequada, bem como propor e desenvolver junto aos pais e cuidadores atividades de estimulação com as crianças.

Nesse primeiro momento, o teste pioneiro foi aplicado em 10 famílias ribeirinhas já atendidas pelo PIR. Com a modernização deste processo, espera-se que o trabalho desenvolvido na região seja mais rápido e proporcione aos agentes uma maior assertividade na coleta de dados em futuras visitas.

Projeto Primeira Infância Ribeirinha

O projeto Primeira Infância Ribeirinha (PIR) tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento dos cuidadores das crianças, fortalecendo o vínculo entre pais e filhos, além de desenvolver competências dos agentes comunitários de saúde. A metodologia do projeto, que teve início na RDS do Rio Negro em 2015, chegou também à RDS Mamirauá e consiste na capacitação de agentes comunitários de saúde que, munidos de modelo de visitação elaborado pelo PIR, realizam acompanhamento da evolução das crianças desde a gestação até os seis anos de idade.

Newsletter