Aplicativo lançado no Amazonas leva atenção à primeira infância no interior do estado

21 de dezembro de 2018 - O projeto, que contou com o patrocínio da Samsung, foi desenvolvido pelo ITN e ajudará agentes comunitários em saúde do interior do Estado do Amazonas a cuidar de crianças de 0 a 6 anos de idade atendidas pelo programa Primeira Infância Ribeirinha, da Fundação Amazonas Sustentável (FAS)

 
Aplicativo foi desenvolvido para atender comunidades no interior do estado | Foto: Rodrigo Silva

Levar atendimento em saúde especializado a crianças ribeirinhas do Amazonas é o principal objetivo do programa Primeira Infância Ribeirinha (PIR), da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), que desde 2013 capacita agentes comunitários em saúde (ACS) do interior do Estado para dar atenção básica em saúde e assistência social necessários ao crescimento e desenvolvimento da “pequena população” ribeirinha no Amazonas, crianças com idades de 0 a 6 anos que moram em comunidades do interior. Este é o período chamado de Primeira Infância é o de maior vulnerabilidade da vida deles, época fundamental para o desenvolvimento das estruturas física, psíquica e social das crianças

Por meio de uma parceria com a Samsung e o Instituto de Tecnologia e Negócios do Norte (ITN) , e com objetivo de facilitar o trabalho desses agentes de saúde no atendimento às crianças, foi lançado esta semana em Manaus o aplicativo “Primeira Infância Ribeirinha”, o “PIR App”, um sistema digitalizado disponível para desktop e mobile. O app, lançado durante o “Seminário Amazonas pela Primeira Infância ‘A Criança no Território: Um Compromisso de Todos’”, reúne num único aplicativo, na palma da mão, todas as informações e formulários existentes no Guia de Visitação Familiar, um guia físico que já é usado para orientar e basear o trabalho dos ACS no acompanhamento da primeira infância ribeirinha, desde a gestação, na barriga da mãe, passando pelo nascimento, a amamentação e até o desenrolar do crescimento.

O app funciona como uma versão digital e estendida do Guia de Visitação Familiar, feito pela FAS e Susam em 2016, e deve ser disponibilizado aos agentes de saúde a partir de 2019.

“Os agentes de saúde do interior enfrentam muitos desafios. Quem trabalha no interior do Estado sabe da dificuldade de se fazer relatório em saúde. Se busca uma unidade básica para deixar os relatórios, se enfrenta chuva, banzeiros, distâncias geográficas. Então o uso da tecnologia é fundamental”, ressaltou gerente do Programa de Educação, Saúde e Cidadania da FAS, Anderson Mattos.

Segundo ele, o app inclusive funciona no modo off-line, ou seja, sem necessidade de conexão com a internet. “Junto com a Samsung e o ITN desenvolvemos um app que transforma o Guia de Visitação Familiar em uma plataforma digital off-line. O agente de saúde vai fazendo as visitas e preenche esses dados no aplicativo. Se não tiver internet na hora, quando pegar uma rede automaticamente (os dados) vai baixar no sistema. Diminui o custo do uso do papel, o custo do erro na hora do preenchimento, dá agilidade e ainda funciona off-line”, ressaltou Mattos.

Um app para a Amazônia

O desenvolvedor do aplicativo do Primeira Infância Ribeirinha foi o Instituto de Tecnologia e Negócios do Norte (ITN). Durante o processo de desenvolvimento do sistema, segundo o presidente da instituição, Ronald da Silva, o maior desafio foi criar um app capaz de funcionar na “Amazônia profunda”, nas regiões mais longínquas do interior do Estado, onde o acesso à internet ou é limitado ou inexistente. “Ultrapassamos essa dificuldade de trabalhar com tecnologia off-line e criamos um aplicativo que funciona leve, tanto no computador, para desktop, quanto no mobile para tablets ou celular”, disse.

De acordo com Silva, o diferencial do aplicativo do PIR é que, além dos conteúdos já existentes do Guia de Visitação Familiar como relatórios e formulários, o sistema possui recursos de gamificação. “O aplicativo tem games que ajudam os agentes, os familiares e as crianças a se interessarem pela solução de um problema. Facilita o aprendizado dos agentes e dos familiares e, consequentemente, tem resultados positivos no atendimento às crianças”, disse. “Também tem a parte de jogos exclusiva para as crianças e para as famílias, onde eles vão aprender brincando.”

A Samsung foi quem patrocinou o desenvolvimento do aplicativo do PIR aplicando os recursos provenientes da Lei de Informática. Segundo a diretora da Área de Relações Institucionais da empresa, Simone Scholze, investir em tecnologia voltada às populações mais vulneráveis é um papel fundamental das empresas. “A Samsung vai além de produtos e inova constantemente com ações e serviços que promovem a tecnologia como um agente para facilitar a vida das pessoas. Estamos muito contentes em ter contribuído no desenvolvimento do aplicativo, que tem tudo para auxiliar os agentes comunitários no trabalho” disse.

Com expectativa ser disponibilizado aos municípios do Amazonas participantes do programa Primeira Infância Ribeirinha logo no primeiro semestre de 2019, o aplicativo promete agilizar o atendimento em saúde às crianças de 0 a 6 anos de idade. “O Guia de Visitação Familiar físico vai continuar existindo, inclusive na versão em PDF para ser usado também. E quem tiver interesse poderá usar o aplicativo”, finalizou Anderson, da FAS.

Seminário

Foi durante o Seminário Amazonas pela Primeira Infância “A Criança no Território: Um Compromisso de Todos”, realizado na segunda (26) e terça (27), em Manaus, que o Aplicativo foi lançado. Este Seminário teve como objetivo propiciar trocas de conhecimentos e experiências sobre a promoção do desenvolvimento integral das crianças na fase da primeira infância e apresentar resultados da parceria entre a United Way Brasil e a Fundação Bernard van Leer com o Programa Criança Feliz e o Programa Primeira Infância Manauara, desenvolvidos no Estado do Amazonas no período de 2016 e 2018. A FAS foi co-realizadora do evento.

Primeira Infância

O projeto Primeira Infância Ribeirinha (PIR) é desenvolvido na FAS desde 2013 com objetivo de dar assistência integral às crianças amazonenses na faixa etária de 0 a 6 anos de idade moradoras de comunidades ribeirinhas do interior do Estado. Desde o início do PIR, são feitas capacitações e formações com agentes comunitários dos municípios participantes. Atualmente o PIR funciona em Maraã, Novo Aripuanã, Itapiranga e, mais recentemente, em Tefé.

Os parceiros da FAS na aplicação do programa são as prefeituras municipais e o Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Susam); o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (Idis), com aporte financeiro da Johnson & Johnson, da Fundação Bernard Van Leer e da Samsung Eletrônica da Amazônia Ltda.